terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Jogando outra vez.



Por decoro

Quando me esperas, palpitando amores,
e os lábios grossos e úmidos me estendes,
e do teu corpo cálido desprendes
desconhecido olor de estranhas flores;

quando, toda suspiros e fervores,
nesta prisão de músculos te prendes,
e aos meus beijos de sátiro te rendes,
furtando às rosas as purpúreas cores;

os olhos teus, inexpressivamente,
entrefechados, lânguidos, tranqüilos,
olham, meu doce amor, de tal maneira,

que, se olhassem assim, publicamente,
deveria, perdoa-me, cobri-los
uma discreta folha de parreira.

Artur Azevedo

4 comentários:

homedareia disse...

versos, perdoa-me, muito giros :)

Et ceci est une vraie histoire disse...

ele...esta muller moito fedellas tu no potochop, non? ou como vai o roollo?
que tal todo, deixoche un comment, pa q vexas o meu blog(si..si...son unha desgraciada...) por qpreciso algun comentario, ap que se vexa que se produce dialogo, ou colowuio ou ostias...estos profesores...
hehe bikiños...heiche de levar as trufas, un díadeste....sisi

La queue bleue disse...

Si, si, umha desghraciada é pouco, zorrita! :P
E o das trufas a ver se é verdade!

La queue bleue disse...

Perdoo-te, perdoo-te, homedareia.
Giros mesmo!