terça-feira, 10 de outubro de 2006


Hoje comprei um paraguas por primeira vez na minha vida.
Nunca me levei cos paraguas, metódicos de mais, previsores e responsaveis. Evitava usá-los, a nom ser que fosse estrictamente necesario. Assi acabava feita um pito de pés a cabeça. Tratava-se dumha questom pessoal e, sobretudo, umha concessom a umha caste de pragmatismo extremo, si, senhor: nom o levava por nom o perder.
Simples, nom si? ;)
E também andar com ele sempre pendurado e pingando, que fastio! :P

Pois com isto do paragüitas (é um anano destes "comprimíveis", nom sei qual o nome técnico) dei-me conta de que como nunca aprendim, sempre me metia debaixo do dalguém piadoso e com mais cabecinha q mim, nom sei andar pola vida com eles. Bato contra os paraguas dos demais na rua, nos caminhos especialmente estreitos nom me sei as leis da prioridade e nem se me passa pola cabeça a simples e efectiva operaçom de esquivar polo alto ao paraguas que avança ameaçadoramente de frente mediante umha momentánea elevaçom do meu, etc.

O certo é que andar baixo umha dessas cupulas é como andar dentro dumha espécie de campo de acçom delimitado imaginariamente, como andar dentro dumha bolha de sabão. Claro que hai muitas mais maneiras que usar paraguas para andar como dentro de bolhas de sabão. E dei-me conta de que, isso si, sei andar pola vida dentro de bolhas de sabão.

7 comentários:

-pirata-vermelho- disse...

Este texto é tão engraçado! E reflexivo, inteligente...

Que faz aqui aquele escrevinhado anterior numa língua estranhíssima e sem graça nenhuma?

La queue bleue disse...

Obrigado, -pirata-vermelho-.

:)

kaplan disse...

siga praticando, xa aprenderá a manexar-se con el (espero, de todos xeitos, que o feito de comprar paraugas non signifique que se vai facendo maior) :-)

X disse...

Descubra os paraugas, poden ser obxectos marabillosos, un paraugas pode ser tan íntimo como un sombreiro, unha bufanda ou un bolso. O problema é contar só cun paraugas, é como ter a mesma cara para todos os días, pero para comezar non está mal. Por certo, en beirarrúas estreitas en cruzamentos de paraugas ten preferencia o da dereita, e se vai moito vento non castigue ao seu paraugas, cérreo, non está feito para loitar aberto, ou sólteo, voar si sabe.

aultre narai disse...

buffff co tempo que vai... vai ser que non che valer de moito... xDD

non te molles moito!

La queue bleue disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
La queue bleue disse...

Pois vou ter que praticar mto, si, e sem problema porque co tempo que vai... que nom é o mesmo que perguntar onde vai o tempo [sempre é mais interessante perguntar/saber onde vam outras cousas... :( ]
Nom tenho sombreiros nem bufandas nem bolsos íntimos... E a cara também é a mesma. Talvez deveria estender amplamente o meu espectro de intimidades, deve ser esse o problema... e talvez aí esteja o segredo... e bem-vindos os cruzamentos?
Mmm.