quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Por petiçom particular e tamém porque é bonito e vale a pena partilhar, coloco aqui este poema que podem ouvir aqui, ouçam, ousem e desfrutem.


Descalça vai para a fonte
Leonor, pela verdura;
Vai formosa e não segura.

Leva na cabeça o pote,
O testo nas mãos de prata,
Cinta de fina escarlata,
Saínho de chamalote.
Traz a vasquinha de cote,
Mais branca que a neve pura;
Vai formosa e não segura.

Descobre a touca a garganta;
Cabelos de ouro entrançado,
Fita de cor de encarnado,
T ão linda que o mundo espanta.
Chove nela graça tanta
Que dá graça à formosura;
Vai formosa, e não segura.


Luiz de Camões

3 comentários:

Alma Dei disse...

Obrigado, ó formosa mas não segura.

Sun Iou Miou disse...

Estava a ver que aquilo tinha-o eu no poço da memória. Não está tudo perdido.
E obrigada, também, por mo desempoçares.

La queue bleue disse...

:)