segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Olha que coisa mais linda...

Ultimamente ando bastante desinspirada, algo desganada e um tanto ocupada. Por isso, a regularidade que nom tinha, volveu-se ainda mais precária. Ia comentar eu algo de mim, para variar, neste belly buttom (bonitirma expressom) particular, alimentado de petiscos, doses e raçons (quanto a razons, melhor nem falar) de egocentrismo.
O outro dia dixerom-me que era feia. Bom, mais exactamente, que nom era bonita, o que, para o caso, queria dizer que era feia. Molestou-me! Vaia se me molestou. Provocou umha espécie de revolta ou protesto generalizado das vísceras: "como quê! que saberá este! Pois nom tem razom, caralho!". Na verdade, até deve ter razom e eu sei-no (sei-no objectivamente e sei-no, também, por autosugestom, não vá o gato às filhós e o esqueça :P ).
O caso é que me molestou mais do que me molestaria que me dixesse que som parva ou burra (!!). Ei, ei, ei, como é possível? Nom eramos mulheres liberadas e feministas de espírito? Nom se supom que essa história da beleza é interior e que o importante é ser boas pessoas e que a beleza está nos olhos de quem mira (precisamente!!!) e todo esse discurso acerca do secundário que é ser guapo? (Guapo é umha palavra bastante feia, dito seja de passagem, sem querer discriminar, eh?).
Devo dizer na minha defesa que possivelmente me molestaria mais que me dixessem que som má, desonesta, mal intencionada, etc. que o da fealdade. Inda bom é...

Independentemente de que seja verdade, o interessante é dar-lhe mais importância a ser bonita que a ser lista.
Ou nom, igual é que nom me molestaria que me dixessem que nom som inteligente, porque sei que o som (baixa, Modesto...). Mas nom me acontece o mesmo coa boniteza, enfim!

Ai, que valores esfarrapados che vos tenho, tantos anos de educaçom para isto!



Bah, no fundo gosta-me a minha frivolidade, é o que tenho. :)


[E, além disso, penso que sempre é 1 questom de conceito, de quê, como, onde a beleza.]

2 comentários:

o refraneiro disse...

Creo que deches no cravo cando dis que se che dixeran que non es intelixente non che molestaría tanto, porque sabes que o es. Todo é unha cuestión de autoconfianza e autoestima: igual o que pasa é que a pesares de ser bonita, non pensas que o sexas.
Realmente todos/as somos bonitos/as e guapos/as. Só hai que saber mirar. Logo o problema non sería que o que che dixo que non es bonita non tiña un bonito ollar?

Un saudo.

La queue bleue disse...

:)
Que riquinha, és um encanto!
Gracíssimas por retribuires a visita e polo comentário tam simpático :).

É verdade que hai que saber mirar (o que nom sabe é como o que nom vê :P).

E sobretudo é que a beleza, igual que o amor, está mal entendida.